Aventuras Anais E Orais

Enquanto eu não tinha coragem de deixar que meus amigos invadissem minha bundinha, me divertia em estripulias orais de tudo que é jeito. Eu já era conhecida como a bichinha aqui do cursinho pré-vestibular de tanto pau que coloquei na boca. Havia um guri metido a fortinho, o Ivan, que queria que eu o boqueteasse todos os dias. Ele me oferecia carona, estacionava perto da minha casa e me botava pra chupar. Eu afundava a cabeça no meio das suas pernas e, depois de cinco minutos no sobre e desce, ele me encharcava com seu leite na minha boca. Delícia. Às vezes, pedia para eu ficar chupando seu saco e suas bolas, enquanto batia punheta. Daí soltava o leite pelo meu rosto, me cobrindo com aquele líquido branco e grudento. Eu adorava. Ficava todo melecado e ele ajudava a me limpar.

Também tinha o Éverton, funcionário do cursinho. Este me botava pra chupar no banheiro. Bem mais velho, cerca de 40 anos, tinha uma barriguinha saliente e um pau bem duro. Era ele quem fechava o cursinho, por isso, ficávamos lá depois das 11 da noite. Ele em pé, de costas para a parede; eu de joelhos. O prazer que ele sentia era algo indescritível. Ficava de boca aberta olhando para baixo enquanto eu lambia todo seu mastro, chupava a cabeçorra inchada, me esbaldava no seu saco grande e gordo. ?Aqui tem leitinho??, eu provocava. E pedia: ?Me dá, me dá tudo, solta tua porra na minha boca, me meleca?. E ele me melecava. Bastava eu falar algo deste tipo que o Éverton despejava uma farta dose de leite enquanto eu mamava e recebia seu esperma na língua, lábios e no rosto. ?Tomaaaaaa?, era o que ele conseguia dizer, arfando e sorrindo de prazer. Depois da aula, quando me via indo embora já me convidava, louquinho da vida pra receber um boquete. O pau do gordinho era gostoso e por isso eu chupava com bastante frequência. Ele foi o primeiro homem a pedir para comer meu rabo. Depois de eu começar o boquete, sussurrou: ?Me dá tua bundinha??. Chupei mais e não resisti à tentação. Baixei minhas calças, virei de bunda e fiquei roçando seu pau no meu buraquinho. Quando ele encostou no lugar certo e começou a forçar, tive medo. Pedi que parasse alí mesmo. Então ele gozou batendo punheta na entradinha de meu ânus e quando gozou seus espasmos me levaram a um tesão incrível. Cada jorrada eu me derretia de prazer. Ele tremeu todo e naquela noite soltou uma quantidade impressionante de porra. Passamos a alternar: uma noite boquete, na outra gozada na bundinha.

O Éverton falou para o Wilson, um dos motoristas do cursinho, das minhas habilidades orais. E o tal Wilson, um negro ex-lutador de boxe, muito forte, magro e musculoso nos seus trinta e poucos anos, quis experimentar. Numa das noites, também me convidou para dar uma espiada no banheiro. Chegando lá, arriou as calças e exibiu seu pau semi-rijo, louco para sair da cueca. Fiquei impressionado. E louco de tesão. Me abaixei e inicie a mamada. Lambi muito. Me concentrei na cabeçorra grande, inchada, acho que quase roxa. Passei minha língua na sua fenda, fiz ele se contorcer. Olhei nos seus olhos, passei a lamber o saco, as bolas e ali fiquei. Iniciei então os movimentos com ritmo, um boquete forte, o pau entrando e saindo o máximo que eu suportava. Parei e pedi: ãeu quero que tu despeje teu leite no fundo da minha garganta?. E voltei a chupá-lo. Um minutinho depois meu ?corcel negro? estava se esvaindo em porra, uma acabada generosa no fundo da minha goela que engoli toda. ?Amanhã eu quero maisó, pedi.

E teve mesmo. Pedi que o Éverton entendesse que eu estava com tesão pela novidade e que na semana seguinte seria uma noite para cada um deles, um revezamento de acabadas no meu corpo. Mas naquela eu queria experimentar o Wilson mais uma vez. E lá fomos nós. Boquete, lambidas e, quando ele estava prestes ao orgasmo, levante, virei de costas e botei seu pau na porta do meu cuzinho. ?Agora eu quero que tu te masturbe até gozar no meu rabinho?. O Wilson parecia não acreditar na cena e na oportunidade. Encostou aquela cabeçorra bem na porta, forçando a entrada e começou a punheta. Sua mão ia até os pentelhos, percorria o mastro e batia na minha bundinha. Um vai-e-vem cada vez mais forte, enquanto eu o incentivava: ?Vai, bate, te masturba, goza na tua bichinha, bate mais, bate forte, solta esta porra no meu cuzinho?. E ele soltava. Tremia tordo, tinha espamos, batia e despejava o leite bem na entradinha do meu orifício anal, o que me fazia delirar. Era quente. Saía forte de seu pau.

No dia seguinte, minha estréia anal. O Wilson conseguiu colocar alguns centímetros para dentro. Bem pouco, três ou quatro. Mas o suficiente para nosso prazer aumentar ainda mais. Mas esta é uma outra história.

Contos relacionados

Uma Noite De Loucuras

Eu e minha mulher estávamos na casa de amigos e bebida vai, bebida vem, ficamos os dois um pouquinho altos. Nossos amigos também estavam bem animadinhos e a certa altura, começamos a falar sobre fantasias. Minha mulher logo falou que adorava transar com...

Minha Tara, Se Aceitando Corno.

Olá boa tarde vamos continuar então, para quem não sabe quem sou leiam o conto Minha Tara, o inicio. Quando descemos ela estava outra, estava mais desinibida mais confiante e mais alegre fomos todos para a praia, muitos estavam indo embora por ser...

Titio Tarado

Quando minha mãe separou de meu pai fomos morar com minha tia, eu tinha dezoito anos, e sempre fui a casa da minha tia então me dava muito bem com todos. Meu tio era muito legal comigo,um belo dia minha tia teve que ir trabalhar a noite e minha mãe estava...

Recado Inesperado

recado inesperado Bom dia Caros leitores: O que vou relatar aqui hoje, aconteceu no prédio onde moro atualmente. Depois de um dia estressante, de muito trânsito, não via a hora de chegar em casa, sempre costumo a...

Amigo Nosso Do Aeroporto

Ola, amigos este não é um conto fictício aconteceu a 5 anos em Rio Claro. Eu trabalhava no Rio de Janeiro, e acada 15 dias ia para casa, em campinas. Conhece um homem da nossa idade 42 anos, ele separado, bom papo, discreto nas palavras, conhece no site do...

Foda Maravilhosa

Foda Maravilhosa Olá galera , bom depois de ler alguns dos contos daqui resolvi entao postar o meu, porém usarei nomes ficticios . Me chamo Luanna (nome ficiticio),sou carioca , tenho 1,57 de altura , sou baixinha , coxas grossas, bunda grande ,...