Chopp Na Buça 

Chopp na buça 

Sem conseguir renovar o seu cadastramento para o transporte complementar, meu pai agregou a sua van numa empresa e nos finais de semana ele fazia fretes para melhorar os rendimentos. Foi numa sexta-feira logo após o meu pai chegar a campainha soou, ele conversava com dois rapazes e em seguida me chamou, estava cansado e pediu para que eu fosse no seu lugar. Os rapazes me guiaram a um endereço, desceram e voltaram acompanhados de três moças, novamente fui guiado a outro endereço e lá pegamos um casal com algumas bagagens em seguida fomos para um supermercado e lá um rapaz e duas moças já nos aguardava com uma grande quantidade de bebidas. O próximo destino era uma praia, eles haviam programado um luau, nós seguimos por uma rodovia que margeava o mar e num certo ponto da estrada eles mandaram encostar a van e começaram a desembarcar as suas coisas. Confuso, perguntei se eles iriam fazer o luau ali na beira do precipício as margens da rodovia e um deles me respondeu que seria lá em baixo na praia e me convidou para participar, conduzi a van a uns dois quilômetros a frente e a deixei estacionada em frente a um quiosque da cidadezinha local, retornei a pé pela escuridão e senti um grande alivio ao encontrar parte do grupo, os rapazes estavam iluminando o caminho com tochas, depois nós fizemos uma grande corrente humana para transportar as bagagens e no final descemos de rapel em uma pequena enseada. Era uma pequenina praia protegida por enormes rochedos e só quem a conhecia a freqüentava. Fogueira armada, musica alta, montamos as barracas e demos inicio a bebedeira, a garrafa passava de boca em boca cada um dava um gole e repassava, na minha vez eu hesitei e a garrafa foi passada adiante, uma nova garrafa circulava entre eles e novamente passei quando chegou a minha vez e logo em seguida veio as perguntas, se eu não bebia ou se eu era evangélico. Expliquei que não tinha costume de bebidas quentes e que só tomava umas cervejinhas de vez enquanto e prontamente eles me trouxeram um barrilzinho de cinco litros de cerveja, fiquei algum tempo abraçado ao barril e novamente me perguntaram se eu não iria beber e quando eu pedi por um copo, uma das moças soltou um sonoro porra como se me conhece a anos e complementou perguntando se eu ia querer tudo na mãozinha e em seguida ela deu um tapinha na buça dizendo que se eu quisesse o copo estava ali, precisava reagir porque todos riam e se divertiam as minhas custa. Respondi para ela que se o copo estivesse ali, eu iria entrar em coma alcoólico porque iria beber sozinho aquele barril, todos se agitaram e começaram a dizer que ela teria que deixar eu beber no copinho dela e naquele vai e não vai, deixa e não deixa e entre mais alguns goles, ela começou a tirar a roupa, plantou bananeira abrindo suas pernas na minha frente, um dos rapazes abriu o barril, prendeu a válvula e começou a esguichar a cerveja na buça dela e eu ia solvendo rapidamente o liquido para não escorrer. Novamente ela soltou um porra, dessa vez ela disse que eu estava chupando ela ao invés de tomar a cerveja e todos riram, mandaram que eu me deitasse, ela quase sentou com a sua buça na minha cara, eles começaram a derramar a cerveja no rego dela e a cerveja escorria pelo seu rabo e quando chegava na sua buça pingava na minha boca, entre um gole e outro eu dava uma lambida no grelo dela e foi depois de uma lambida que eu dei no grelo dela que ela surtou de vez. Ela começou a xingar e a esfregar a sua buça na minha cara, quer chupar seu filho da puta, então chupa, chupa essa porra e me faz gozar, eu estava ficando sufocado, eles não paravam de derramar cerveja e eu não parava de meter a língua na buça dela e por fim ela gozou e projetou seu corpo para frente para fugir da minha língua. Eles balançavam o barril e mandavam ela voltar, diziam que ainda estava na metade e não sei de quem foi a brilhante idéia, ela voltou a plantar bananeira só que dessa vez eles meteram a válvula na buça dela e apertaram enchendo a buça dela de cerveja depois eu encaixava rápido a minha boca na buça dela e ela expulsava toda cerveja na minha boca, foram várias e várias vezes sem que eu percebe-se que a brincadeira já estive-se no terceiro barril e é claro que mesmo tendo alguma perda eu já deveria ter ingerido rapidamente quase dez litros de cerveja, fazendo o ditado valer, de quem não sabe beber, bebe mijo. Porque os filhos das putas me fizeram meter a boca na buça dela como se ela fosse me liberar a cerveja mas a filha da puta mijou na minha boca e eu bêbado, bebi, mas é claro que esse pedacinho da historia eu só soube pela manhã quando acordei cheio de areia com todos rindo da minha cara por ter bebido o mijo dela. 

Contos relacionados

Acho Que Sou Corno Mesmo

ACHO QUE SOU CORNO MESMO: NO MEU PRIMEIRO CONTO, CONFESSEI QUE DESCONFIAVA QUE ERA CORNO. SEGUINDO ALGUNS CONSELHOS DE AMIGOS QUE POSTARAM, COMECEI A JOGAR INDIRETAS PRA MINHA MULHER. DE TANDO EU FICAR PERGUNTANDO, E EU APROVEITAVA QUE ELA GOSTA QUE EU...

Sexo Na Oficina

Sexo na oficina Todo final de tarde ele passava bem devagar em frente à oficina onde eu trabalhava. Eu estava sempre de macacão e com alguma sujeira de graxa ou óleo, mas mesmo assim eu percebia claramente seu olhar vasculhando os cantos da...

A Origem Do Desejo Em Ser Corno

Olá pessoal,  me chamo Júlio e irei  narrar um conto que trata-se de uma história  real. Bom, primeiramente  falarei de mim,  sou rapaz  de 32 anos, moreno, alto , corpo atlético e casado com uma linda  esposinha a mais ou menos 5 anos.  Minha...

Noiva No Churrasco

Olá pessoa, sou o Marcelo e vou relatar uma aventura deliciosa da minha noiva gostosa. Tenho 25 anos e a Raquel 24 anos (Raquel é uma mulher bela, cabelos castanhos e lisos na cintura, branquinha, olhos castanhos, corpo todo proporcional com os seios...

Na Cabina De Aplicações

Na cabina de aplicações Na cabina de aplicações Depois que peguei uma traição do meu marido, adotamos um relacionamento aberto no carnaval, podemos cair na folia sem culpa, mais depois da quarta-feira de cinzas tudo volta ao normal, ou...

A Psicóloga De Varginha

Durante mais de 5 anos fiz psicoterapia com uma psicóloga que vou chamar de Mara (nome fictício). Ela tinha uns 30 anos quando começamos as sessões de terapia sendo que fazíamos duas dessas sessões por semana, sempre pela manhã antes de eu ir...