A Casada Da Internet

A casada da internet

Este é o meu primeiro conto, e vou relatar exatamente o que aconteceu há exatamente dois anos. moro no interior do parana. Numa certa noite, por volta das 22:30 horas estava navegando na net quando resolvi entrar numa sala de bate papo, cidades. Na sala que entrei haviam duas pessoas e fiquei observando a conversa deles. A mulher, casada, estava sendo esculachada pelo homem com quem estava teclando. O cara a atormentava porque ela era casada e estava na sala de bate papo àquela hora da noite(eram aproximadamente 11:30 da noite). A mulher se defendia dizendo que estava ali porque gostava de conversar com as pessoas e tambem porque estava sem sono. Após uns minutos observando aquela conversar resolvi interferir e disse pra Casada: Deixa esse idiota pra lá, venha conversar comigo. Após alguns segundos ela respondeu e resolveu teclar comigo. Eu disse que não era pra ela perder tempo com aquele idiota que só a humilhava, e ela, gentilmente correspondia à minha conversa. Ficamos conversando por vários minutos quando então perguntei se ela tinha msn, recebendo uma resposta que sim, então dei meu msn pra ela e disse que poderia add se quizesse pra que pudéssemos nos conhecer melhor e com mais tranqüilidade. No dia seguinte recebi o convite pra aceitar uma pessoa como amiga e imediatamente aceitei, mas, não sabia que era a CASADA. Quando abri o msn fiquei fascinado pelo que vi, pois era uma mulher linda com os cabelos longos encaracolados, lindos! Derepente ela entrou on line e iniciamos a conversa, ela, contando como era a sua vida, que realmente era casada mas estava infeliz por uma série de coisas que estava acontecendo. Eu, também relatei minha situação dizendo que também era casado, mas, que estava passando por uma fase muito difícil no casamento e coisa e tal. Depois de muito tempo teclando a convidei para iniciarmos uma conversa com vídeos e acabamos por abrir a cam, nossa foi maravilhoso quando vi o olhar daquela mulher maravilhosa na minha frente fiquei encantado, fascinado e ela dizia que havia me achado demais. Num certo momento ela me disse que estava de viagem marcada pra Curitiba e coincidentemente eu também tinha que ir a capital do Estado. Pra encurtar a conversar ela me disse o dia que iria e eu me programei pra estar lá nos dias que ela. E assim aconteceu, combinamos o hotel e o dia que estaríamos juntos. Era inverno e eu viajaria de ônibus porque a distancia da cidade onde moro até Curitiba é de 650 km e não compensa ir de carro sozinho além de ser perigoso nas rodovias. Embarquei às 21:00 horas e por volta das 06:30 estava desembarcando em Curitiba. Liguei pra ela e disse que dentro de poucos minutos estaríamos juntos. Nessas alturas meu coração pulava, saltava, disparava, porque na verdade iria me encontrar com uma mulher que nunca tinha visto, e uma pontinha de medo tomou conta de mim, será que aquela mulher não era perigosa e poderia estar armando uma cilada pra mim? Meu pensamento martelava e dentro do táxi tive vontade de retornar pra rodoviária e tomar o primeiro ônibus de volta. Subitamente, estava enfrente ao hotel e o taxista estacionava. Pensei, meu Deus, o que estou fazendo aqui? Paguei o taxista, desci e fui andando lentamente até a entrada do hotel, entrei na recepção e perguntei pela mulher que estava no quarto 17 e o recepcionista disse que já sabia que eu iria subir e então me encaminhou até o segundo andar. Cheguei, parei enfrente a porta e tremendo, gelado (devido ao frio), apertei a campainha do quarto. Ela abriu a porta e nós dois ficamos paralisados, como que hipnotizados olhando um para o outro. Que olhar mais lindo, que olhos maravilhosos! Mas, naquela instante mágico nossos lábios se encontraram e nos beijamos apaixonadamente como um casal que realmente se ama. Aquele beijo foi a porta de entrada para um dia inesquecível. Tomei um banho gostoso e fui pra cima daquela mulher exuberante, explorando cada centímetro daquele corpo maravilhoso, comecei a beija-la suavemente, acariciando suas costas, deslizando minhas mãos pelos seios que estavam firmes e com os mamilos durinhos, fui beijando teus seios, descendo pela barriga e chegando até a altura daquelas coxas gostosas, entrei e caí de língua naquela xoxotinha que naquelas alturas já estava toda molhadinha e quentinha de tesão, fui chupando aquele grelinho e ela se contorcendo, gemendo, dando gritinhos, sussurrando de tesão, enquanto chupava o grelinho massageava aquele bumbum gostoso, perfeito e ela massageava meu pau, apertava, fazendo uma punheta maravilhosa. Ela virou de costa e comecei a esfregar meu pau na sua bunda enquanto ela se entrega todinha abrindo as pernas para que meu pau fosse entrando lentamente, ficamos vários minutos nos esfregando quando meu pau iniciou a entrada naquela bucetinha que estava quentinha toda meladinha, cheia de tesão. Ela rebolava, se contorcia pedia pra que enfiasse tudo e apertava o corpo contra o meu. Meu pau foi entrando e ela pediu pra colocar mais devagar porque era grande e grosso e estava doendo (18 cm), com jeitinho fui colocando dando estocadas cada vez mais forte até que entrou tudo e ela já não agüentando mais rebolava freneticamente, aceleradamente dizendo que queria gozar, e eu, fui me segurando procurando deixa-la cada vez com mais tesão. Aquela gostosura de mulher, não agüentando mais, começou a gozar e gozou abundantemente rebolando em parar, me levando a loucura. Gozei como há muito tempo não gozava. Ficamos deitados juntinhos,coladinhos um no outro, ou como ela gosta de dizer, de conchinha. Recuperamos o tesão e fizemos amor mais uma, duas, três, quatro vezes antes de sairmos para o almoço, nos amando de todas as formas, de todas as maneiras, onde exploramo-nos um o corpo do outro apaixonadamente, fizemos um 69 muito gostoso, uma espanhola maravilhosa, (quando me lembro daquela boca chupando meu pau….ahahahahahah…), peguei ela firme de 4, ela cavalgou em mim como uma potranca. Enfim, foram 08 horas de muito amor, muito tesão e muitas gozadas juntos. Hoje nós nos amamos de verdade e se não fosse o impedimento de ser casados, com famílias constituídas, estaríamos vivendo juntos. Talvez um dia isso venha a acontecer, mas, enquanto não acontece, vamos nos encontrando na nossa capital sempre que dá certo. Na segunda vez que nos encontramos passamos dois dias juntos em outro hotel, foi melhor que na segunda vez. Mas…isso conto na próxima vez. Abraços.

    Contos relacionados

    Gordinhas: só Quem Experimentou Sabe

    Desde a adolescência tenho uma verdadeira tara por gordinhas. Tanto que me casei com uma. Tenho 27 anos, moro no litoral de São Paulo e tento sempre me manter fiel, mas não resisto a uma gordinha, então vou contar aqui como foi que dei uma "escapada" e me...

    Primeira Experiência

    Não tive experiência ainda que eu possa contar com tanta expressão. Então VC homens que gosta de dar para homens mulheres coroas de qualquer idade e cor professores que queiram sexo bem gostoso sem envolvimento financeiro .me chame no zap zap .sou de BH...

    Uma útima Empregada

    Uma ótima empregada UMA ÓTIMA EMPREGADA Como eu já relatei em contos anteriores, eu tinha me divorciado e meus dois filhos por opção deles ficaram comigo e minha ex esposa mudou-se para outro local. Nessa ocasião, eu morava no Brooklin...

    Novinha Safada...

    a novinha estava masturbando ai chegam dois homems na casa dela pra concerta o encanamento..ai os homem pega ela no fagra se masturbando ai ela toma um susto..e chama os dois pra transar com ela os homem comesa a pegar no peito dela comec?a tirar a roupa dela...

    Patricia safada fazendo sexo fora do casamento

    Me chamo Patricia , tenho 42 anos, moro em São Paulo, e vou narrar minha primeira experiencia fora do casamento. Sou casada a 25 anos com meu marido e para ser sincera casei virgem. Foi justamente na nossa viagem para comemorar esses 25 anos que tudo...

    Minhta Tara (2)

    O sabor de sentir tesão por compartilhar a minha mulher com outrem surgiu como o relatado no primeiro conto ?Minha Tara (1)?. E tal tesão foi crescendo quando descobri também que ao contar a ela três dias depois o sucedido, estando nós deitados à noite,...