Minha Tara (3)

Minha esposa era professora e diretora de uma grande escola estadual. Tinha a seus cuidados mais de 2.000 alunos e por consequência dezenas de professores. Quando das festas e comemorações eu era convidado a participar acompanhando-a. Pude observar belas professoras e magníficos exemplares do gênero masculino. Havia um, em especial  que se destacava, educado, com seus 30 anos aproximadamente, solteiro, era agradável tanto pelo fino trato como pela aparência física. Ela já havia relatado de um tal fulano, o próprio, que sempre elegante exalava belo e caro perfume, o que lhe agradava deveras. Tive oportunidade de conhecê-lo numa destas festividades. De imediato surgiu-me a ideia de me referir a ele em próximo encontro intimo com ela, o que não tardou àquela mesma noite.  Voltando para casa e deitados, já engatilhados após as preliminares, cochichei nos seus ouvidos se podíamos convidar uma terceira pessoa a partilhar nossa noitada. Repentinamente ela deu uma estancada, crente talvez que fosse eu me referir a uma figura feminina; ela, de natureza ciumenta, assim reagira mas, quando me referi ao cheiroso professor e coisa e tal, desarmou-se em clara evidencia de aceitação. Neste momento eu latejava dentro dela como nunca; sentia também o pulsar vaginal apertando-me em espasmos. Creio piamente que muitas vezes ela já tinha fodido comigo pensando justo no tal primoroso professor. De uma forma ou de outra, eu teria chifres cheirosos e bem aprumados. Ao contrário, me senti até um tanto vaidoso. Continuei a comandar o joguinho que ora se iniciava, com muita cautela e discrição, sem vulgarizar o ato. ?Pois é, disse-lhe eu, adoraria saber de que fulano pudesse assistir como você me faz feliz na cama. Adoraria que ele estivesse sentado aos pés de nossa cama e ouvisse o entrar e sair de minha rola neste seu buraquinho tão apertado. Adoraria que ele, que gosta tanto de um gostoso perfume pudesse sentir o aroma que sai de sua bucetinha quando me fode gostoso.? Caramba, acho que exagerei pois imediatamente ela entrou num espasmódico orgasmo que me arrastou junto dando golfadas à exaustão. Não preciso dizer que quando deitados, um juntinho do outro, sentimo-nos muito mais próximos do que antes pela  cumplicidade criada. Cochichei em seus ouvidos o quanto fizera-me feliz por deixar a gostosa viagem dos nossos sentimentos voarem àquelas alturas. Perguntei-lhe o que sentira e a resposta apesar de curta: ?adorei?. estava tomada de esperanças para um futuro bem próximo.

Contos relacionados

Duplamente Realizada

Duplamente realizada Duplamente realizada Num belo sábado de sol estou solitária em minha casa, família toda viajando... Som ligado janelas aberta, eis que alguém chama a porta, a principio um desconhecido, logo percebo que se tratam...

Sexo Gostosos, A Tarde Dei O Cuzinho

Olá Prazer, Estou de volta Estava uns dias sem postar Aqui, vim Aqui Contar a Vocês, mais um conto magnífico nosso. Eu Estava em casa de bobeira fazendo vários "nadas"e por sinal doente surgiu uma otite insuportável, Quando "SP" me ligou Me convidando...

Surpresa Deliciosa

Este é meu primeiro conto, espero que gostem, irei usar nomes ficticios. Sou Jorge, sou branco estilo alemão, tenho 67 kg, 1.69 de altura. Uma sexta-feira, após um dia de muito trabalho e uma semana muito extressante, como de costume nos do trabalho fomos...

Fudida Por Dois

Me torturei o dia inteiro tentando imaginar o que eu faria quando ele chega-se do serviço acompanhado do seu amigo naquela noite e quando por fim eles chegaram, não fiz nada, acho que na verdade eu sempre soube e usava a venda para tirar a minha culpa do...

Minha Mulher Transou Com Outro Homem

MINHA ESPOSA TRANSOU COM OUTRO HOMEM Todo começou quando tínhamos 3anos de casados, eu não dava muito valor nela(ela é morena bem linda corpo quer todo homem...

O Primo Do Meu Namorado Tirou Meu Selinho

O primo do meu namorado tirou meu selinho Olá,adoro esse tipo de conto e vim contar uma experiência até então única e muito gostosa que vivi,usarei somente iniciais... Bem conheci meu namorado atravéz de um ex-namorado e tinha-o no...