Siririca No ônibus

Olá, atualmente tenho 18 anos, e o que contarei aqui, é sobre uma experiencia muito boa que tive aos meus 14 anos. Bom, eu estudava em uma cidade um pouco distante da minha, e precisava pegar ônibus todos os dias. Certa vez eu estava no fundo do ônibus quando chegou uma mulher alta com uns peitos enormes, e sentou do meu lado. Ela estava com uma mini saia e uma blusa apertada, com uma lata de refrigerante na mão. De repente o ônibus deu uma freada que derramou o refrigerante dela todo em cima de sua blusa. Como ela estava sem sutiã, os biquinhos dos peitos dela ficaram durinhos de frio e eu não consegui parar de olhar aquilo. Então ela percebeu que eu fiquei um pouco nervosa com aquilo e sorriu pra mim, perguntou se eu tinha algum papel ou pano pra enxugar sua blusa, e eu rapidamente peguei meu casaco e dei a ela. Ela perguntou se eu poderia enxugar, então peguei o casaco e passei nos peitos dela, apertei tanto que ela deu uma risada sedutora e eu fiquei louca. Ela percebeu que eu estava exitada  e então sussurrou: sabe o que é siririca? E eu respondi que sim, mas só tinha batido umas 2 vezes. Logo ela levantou sua blusa deixando os seios a mostra, aproveitando que o ônibus estava vazio, levantou sua saia, tirou a calcinha e a me entregou. Fiquei olhando aquela vagina gostosa e então ela pegou minha mão e colocou entre as pernas dela. Minha calcinha ficou encharcada. Então ela falou para eu fazer o mesmo, e como eu estava de calça jeans somente abaixei a calça e a calcinha. Percebi que o trocador estava nos observando com cara de exitado, mas nem ligamos. Nós duas começamos a bater siririca até que gozamos no banco, que delicia. Logo, ela sentou no meu colo e ficou de frente pra mim, começamos a nos beijar e acariciar a pepeca uma da outra, enfiando e tirando o dedo, fazendo movimentos de vai e vem numa velocidade descontrolada. Não consegui resistir e gemi alto, e todos que estavam no ônibus começaram a olhar. Ela gozou na minha perna todinha e no banco, deixamos uma poça de gozo no banco em que estávamos. Então o ônibus começou a encher e decidimos parar antes que chamassem nossa atenção, fomos para outro banco e ficamos observando as pessoas olhando para aquela poça de porra e se perguntando o que era. Fomos até nossa parada sem falar nada uma com a outra e quando eu estava descendo do ônibus, o trocador me chamou e apertou meu peito e me chamou de puta, então mandei ele ir pra puta que pariu e desci do ônibus. 

Galera, eu não sou puta, eu faço faculdade de direito. Essa foi apenas uma experiencia incrível que nunca esquecerei. Espero que tenham gostado do meu primeiro conto. Beijos.

Contos relacionados

Numa Cidade Do Interior

Numa cidade do interior Sou uma mulher que adora conhecer novidades sejam elas o que forem! Graças a Deus, sou uma profissional bem sucedida, o que me possibilita alguns regalos, como viagens internacionais, cruzeiros e etc... Sou morena,...

Dominado Pela Terapeuta

A estagiaria sempre me dizia que eu já havia passado da idade e não conseguiria dar conta dela, mas depois de quase seis meses insistindo finalmente eu consegui leva - lá para um motel. Nunca imaginei que aquela novinha fosse tão fogosa e acabei levando...

O Servente De Pedreiro.

Sai do interior de Minas e fui trabalhar em Belo Horizonte, onde permaneci por um ano. No princípio, vinha na minha cidade todos os fins de semana. São menos de 200 kms separando as duas cidades, com rodovia duplicada. A viagem era rápida. Numas das...

Comi Minha Prima Gostosa E A Amiga Dela.

Comi Minha Prima gostosa e a amiga dela. Ela Ola, os nomes aqui serão apenas as 1° letras. Bom, sou um cara branco de 1,85m. esse fato ocorreu a partir do começo do ano passado... Ela é uma mulata de 1,60mts, olhos negros, e...

Quem Foi ?

Quem foi ? Era um lindo final de semana na primavera e eu estava radiante. Não era para menos pois meu primo Carlos Antonio estava passando uns dias conosco e eu me amarrava demais nêle. Ele era altão, com seus dois metros de altura, jogador de...

Meu Macho

Namorava um carinha na faculdade. Éramos quase como um casal. Nossas transas eram quentes e românticas. E, ao mesmo tempo, muito fortes. O Igor tinha 22 anos, magro, corpo não muito musculoso, típico de quem nadou quase toda uma vida. Ele adorava fazer...