Galáxia De Prazer Anal

Eu viajava muito a trabalho, e só estava em casa aos sábados, domingos e nas segundas. Eu tinha quarenta anos e ela trinta e cinco. Sentia tanta falta de minha mulherzinha morena e baixinha, de seios duros e pequenos, com mamilos escuros e grandes. Sem falar nos pequenos lábios da buceta, marrons, e no seu grelo grande.

Sua bunda era a fonte dos meus desejos, era minha tara. Quando eu abria com carinho suas nádegas e via aquele cuzinho escuro, como se fosse uma galáxia de prazer para mim e para ela -, meu pau subia logo. Tenho um pau de tamanho apropriado para entrar naquela galáxia ? nem grande nem muito pequeno: o ideal.

Acho que por isso dizem os amigos e familiares (sem saberem desses detalhes que conto aqui), que somos um casal ajustado.

Afinal, estamos juntos há dez anos e sem filhos.

Mas voltemos ao sexo. A gente se acostumou a transar assim, sem variações e ela que me chamava:

– Querido, sinto fogo, vamosó ? Já tinha tomado banho, usando sutiã e calcinha, seu corpo escondido num roupão vermelho.

– Vamos. ? Meu pau já duro, ia ao chuveiro, lavava a roupa impaciente. Depois eu vestia um calção curto de pijama e uma camisa.

Na cama, a televisão ligada, o ar condicionado também, até parecia que um enganava o outro é ou fingia que não estávamos doidos para meter:

– Vou desligar a lâmpada e acender o abajur.

– Querida, me dê um beijo na boca antes.

E vinha aquele beijo molhado de língua…

Ela acendia o abajur, e de costas para mim, tirava o roupão. Ela sentava na cama, tirava o sutiã e se virava de lado, eu já de pau para fora do calção, ela olhava de lado fingindo que não via eu mexendo no pau duro.

Eu via o seu peito com bicos duros. Ela tirava a calcinha e vestia a camisola curta. Eu guardava o pau duro.

Prezados leitores, não se esqueçam: dez anos nesta rotina boa!

Eu fazia ela gozar primeiro: beijava seus mamilos durinhos, descia até as coxas, metia a língua no seu grelo, e chupava delicadamente como se fosse um pequenino pau. Eu também enfiava no seu cuzinho só a ponta do dedo.

Ela gozava e se estremecia toda, beijando minha boca.

Depois era a minha vez.

Ela se levantava da cama, pegava o Ky gel e me dava, dizendo com voz de mandona:

– Vai, come meu cu é isso que tu queres mesmo.

Ela deitava-se de bruços na cama, botava um travesseiro grande debaixo da buceta e mandava:

– Começa logo, meu cu tá piscando muito e forte.

Eu lambuzava o pau e seu cuzinho com o Ky e começava o serviço:

Primeiro abria suas nádegas, depois devagarzinho ia enfiando a cabeça do pau. Parava. Seu cu apertava a cabeça do meu pau. Eu metia de novo até o talo e tirava a rola. Ela gemia:

– Hum… Tá doendo…Bota mais…

Aí eu metia tudo e quando eu gozava, sentia o seu cu apertando meu pau.

Ela dizia no fim.

– É tão bom sentir tua porra quente no meu cuzinho.

Contos relacionados

Minhta Tara (2)

O sabor de sentir tesão por compartilhar a minha mulher com outrem surgiu como o relatado no primeiro conto ?Minha Tara (1)?. E tal tesão foi crescendo quando descobri também que ao contar a ela três dias depois o sucedido, estando nós deitados à noite,...

Fernanda, A Esposinha Safada.

Fernanda, a esposinha safada. Estávamos casados há um ano e nossa vida sexual estava indo cada vez pior. Fernanda é uma gata, morena clara, 1,75 e 62 kg, seios grandes e um bumbum delicioso. No começo transamos freqüentemente, mas com o tempo...

Fui Mulherzinha

Ola. Me chamo caio tenho 36 anos, mais este conto aconteceu quando eu tinha 27 anos . Sou casado e nessa epoca mi ha esposa recusava em fazer sexo. Eu queria gozar diferente ja nao aguentava se mastubar, minha mulher tem um vibrador que quando agente...

Presente Para Mim E Pro Meu Amor.

Presente para mim e pro meu amor. Tudo aconteceu no meu segundo aniversário de casamento.Eu e meu marido formamos um casal jovem e muito feliz,e procuramos experimentar tudo que nos dá prazer na cama.Até então tinha deixado uma fantasia que há...

O Cadeirante E A Loira Casada

Quando eu olhava um cadeirante a primeira questão que vinha a minha cabeça era : cadeirante sente prazer? Principalmente quando sofre uma lesão medular e a impressão que se tem é que a vida sexual acaba depois de uma lesão na coluna. Afinal perdem-se os...

Multa Por Excesso De Velocidade

Morávamos no interior, Robson, Jonas e eu éramos amigos de infância e só nos distanciamos quando eu fui estudar na capital, levei algum tempo para voltar a minha cidadezinha e quando voltei, vi que muita coisa havia mudado. Saímos no meu carro para...