Corno Jamais, Cumplice Sim!

Durante as relações eu e minha mulher sempre pensamos num ex-namorado pelo qual ela foi e continua sendo apaixonada. Hoje somos cumplices desse triangulo amoroso. Quando ainda não casados ela me colocou um par de chifres com ele, hoje desejo que o faça novamente. Ela está feliz com a ideia, e eu… Mais ainda?. Corno, além de chulo é uma palavra forte que não condiz com a relação aberta que vivemos. Por nossa realidade ser outra, prefiro ser apenas… Cumplice! … A forma como estamos vivendo é a que mais nos excita! Principalmente agora depois de muitos anos reacendeu neles as chamas que na realidade nunca apagou. Tendo a mim como cumplice e elo desse reencontro ela pensa em transar com aquele que nunca deixou de amar. O ex-namorado! Como entre nós nunca existiu segredos e nem obstáculos mesmo se ela quisesse transar, depois do reencontro seu foco esteve voltado para ele. Na primeira tentativa o que dificultou foi ele residir numa cidade distante. Porém, minha esposa não ia desistir de transar com ele, ainda mais tendo a mim por cumplice ficaria mais fácil. Só em pensar ela transando, gemendo entre seus braços e gozando diversas vezes atoladinho no seu gostosinho – como ela carinhosamente chamava o pênis do ex-namorado ? eu ficava excitado. Apesar do meu incentivo e da cumplicidade percebia estar faltando sintonia para concretização dos desejos. Certa vez, ele a convidou para ir a um motel e por motivos de trabalho ele não pode comparecer deixando-a visivelmente decepcionada. Noutra ocasião ele propôs dormir em nossa casa e a noite iria até nosso quarto transar com ela em nossa cama. Novamente não deu certo. Enquanto aguardavam uma nova oportunidade todos os dias trocavam mensagens por e-mail. Suas palavras carinhosas e tantas cantadas a deixavam com muita vontade de transar. Varias vezes, após ler suas mensagens, ela fazia uso de um consolo que havia apelidado de ?gostosão rosinha? que tinha 20 cm de comprimento e era quase idêntico ao que ganhou por duas vezes do ex-namorado. Antes de usar seu consolo, lambuzava de gel – sempre fora apertadinha – lentamente ia introduzindo na xoxotinha, contorcendo de tesão, enquanto eu, como cumplice, ia colocando lentamente. Nesses momentos ela me beijava como se o amante fosse, aumentava os movimentos de vai e vem, e quando atolado inteirinho gozava por varias vezes querendo mais e chamando pelo ex-namorado. Como cumplice – fazendo as vezes do amante – eu sussurrava nos seus ouvidos que era ele quem estava transando com ela, era ele que estava penetrando e fazendo-a gozar. E assim foi por bom tempo. Quanto ao encontro, depois de muitas tentativas infrutíferas, ele foi transferido para outro Estado esfriando o relacionamento. Ela não me contava apenas as relações amorosas que teve com seus homens, mas também da sua paixão e do tesão pelo ex-namorado e atual amante, aliás, tesão e carinho que nunca deixou de sentir. Fiquei triste com os desencontros por ser cumplice desta mulher maravilhosa e não ter concretizado a vontade de ambos sabendo que uma transa seria a glória para eles. Desde que tive certeza do amor deles e a partir do instante em que ela admitiu que sua tara era por ele, nossa cumplicidade se fortificou a ponto de transarmos fazendo de conta que naquele momento eu era ele. Naqueles instantes ela se comportava como se realmente estivesse transando com seu amado sobre o tapete, como aconteceu a primeira vez com eles. Embora soubesse tratar-se de meras fantasias, ela jamais descartou a possibilidade de transforma-las em realidade. Decorrido algum tempo sem se comunicarem, porém, como eles dizem do amor que sentem um pelo outro ser ?coisa de pele? aos poucos foram reatando o velho romance. Hoje só em pensar que estão namorando e desejando um encontro, fico com o maior tesão e ansioso na expectativa de que desta vez realizem seus desejos. Não sei o que ele diz a ela, só sei que voltou a ser amorosa e a dizer estar se apaixonando. Voltou sua vontade de transar com ele, porém, sem programar quer deixar as coisas acontecerem naturalmente. Ela jamais foi uma mulher vulgar, pelo contrário. Quando a conheci, embora estivesse saindo com diversos homens o fazia por decepção amorosa que tivera com um primo. Numa dessas saídas, transou por duas vezes com o ex-namorado, hoje seu amante. Foram apenas duas transas, porém, uma delas marcou demais e sempre me confidenciou ser a melhor e mais gostosa. Embora ela não admitisse, depois da nossa cumplicidade confessou que durante todos esses anos foi ele o único homem que amou de verdade, razão pelo qual jamais o esqueceu. Quem pode avaliar a delicia de viver como vivemos e sentir o que sentimos, somos nós. Quanto aos encontros e transas, é apenas questão de tempo e oportunidade. Fico feliz por ser cumplice e compartilhar deste amor de tanto anos e por ela admitir sua paixão por seu amante, tendo-o como o grande amor da sua vida. Nada disso me entristece e tão pouco me faz enciumado. Fico orgulhoso por ter se transformado numa mulher sexy, com trejeitos de garotinha apaixonada, e ainda querendo transar. Afinal, são dois tarados carentes e com muito café no bule! Seu amado amante vive clamando para ela acariciar seu brinquedinho, diz estar louco de desejo de chupá-la e ser chupado e de jorrar seu néctar na boquinha deliciosa dela. Ela por sua vez, deseja satisfaze-lo em todos os sentidos, depois ser penetrada – visto não ter gozado com ele – sua tara é gozar juntos. Hoje amadurecidos são bons nisso, com certeza ela vai dar show. As vezes ela parece insegura quanto a sinceridade dele diante das propostas e com o que diz. Por outro lado ele tem demostrado querer com ela uma relação afetiva e duradoura e não apenas uma aventura. Já deixou claro que se desejasse apenas sair por sair já teria levado ela para um motel e depois cada um seguiria seu caminho. Como cumplice, tenho certeza que ela pode confiar e ser feliz com o homem que sempre amou é amado por ela. Não vejo a hora de um carro parar na porta de casa e dentro dele seu homem aguardando ansioso para conduzi-la a um ninho de amor. E pensar que tudo isso quase aconteceu um dia! Minha expectativa é grande, porém, meu temor é que ainda dessa vez possa algo sair errado e novamente não dar certo. Se isto acontecer não vou desistir e quem sabe um dia ela concorde e vamos a luta novamente em busca de outro amante menos complicado. Por enquanto é prazeroso saber que ela deseja transar com seu homem e que ele a espera e tambem a deseja. Com isto me realizo! Antes de estabelecer este triangulo amoroso ela era distante, hoje é outra mulher, tarada ansiosa, e desejosa por ganhar seu brinquedinho. É assim que gosto, pois me realizo por intermédio das suas taras. Se for um privilégio ser cumplice, posso me considerar privilegiado. É muito bom saber que deixou de ser a garota inexperiente de outrora para se transformar nessa mulher gostosa e maravilhosa. Mulher que luta pelo que quer, e acima de tudo tem coragem de assumir que deseja e sempre desejou ter em seus braços o ex-namorado agora amante e homem da sua vida. Numa ocasião sugeri que quando fosse transar não deveria ir de calça comprida, mas sim com um vestido bem curtinho para deixa-lo maluquinho antes mesmo de chegar ao destino. Até a cor da calcinha tinha sugerido, nada de vermelho que ele não curte. Assim vou curtindo minha tara, e por intermédio desse triangulo amoroso procuro viver como estamos vivendo, sentindo o coração bater forte, descompassado pela expectativa desse romance. Como os dois andam excitadíssimos, pelo andar da carruagem quando chegar o dia o chão vai tremer. Espero que ela saiba usufruir e usar de todas as formas seu grande brinquedinho, ele certamente vai dar um maio nessa mulher faminta e depois penetrar na gostosa xoxotinha que só ela tem. Nesse momento e chego a ouvir os gemidos de prazer, a exaustão dos movimentos acelerados, a satisfação da realização, para depois, ainda entrelaçados nos braços e em meio aos néctares vazantes, adormecerem para recuperar as energias. Tão logo despertos se bulinam para recomeçar os rituais próprios dos insaciáveis amantes! Sendo eu o marido dela, a condição de cumplice jamais me perturbou ou denegriu. Ser cumplice é um estado de espirito que só entende que o é. Eu sou cumplice deles e não vou medir esforços para que se realizem, é o que importa, o resto é hipocrisia. Por falar em hipocrisia, por vivermos numa sociedade hipócrita, mantemos sigilo para que não saibam do nosso triangulo, ainda que, no anonimato do falso moralismo gostariam de fazer o que fazemos, e agir como agimos. Porém, falta-lhes sinceridade e desejo de amar para serem felizes… Como somos! Sou cumplice sim… E daí?

Contos relacionados

Sou Casado E Dou O Cú Para O Meu Irmão

Sou casado e dou o cú para o meu irmão Bem.Hoje sou casado e bem casado mais voltando um pouco atrás, sou de uma família tradicional e era muito amigo de meu irmão gostava muito dele cuidava de tudo pra ele e muitas às vezes ele judiava um...

Dando Para Alguns Desconhecidos

Dando para alguns desconhecidos Tomei um banho, me perfumei toda, vesti uma combinação nova e ele nem me notou. Chegou do serviço e foi logo se enfiando atrás daquele maldito computador, tentei lhe fazer um carinho, mas ele ficou resmungando, lhe servi...

Colega De Profissão E De Desejo

Colega de Profissão e de Desejo Meu nome é Pedro,(fictício), advogado, casado há 20 anos e um pouco de ?saco cheio? do dia-dia sexual de meu casamento. É que minha mulher, comporta-se como uma velha. Dorme quase todos os dias de pijama, usa...

Uma Festinha Por Acaso

Uma festinha por acaso Oi gente meu nome é "Pri",o que vou contar aconteceu comigo há 4 anos.Sou morena 1,70 70Kg seios medios olhos castanhos, e filha de um sócio de uma empresa.Meu pai me banca financeiramente em tudo,ele é muito rigoroso...

O Cinema (verídico)

O Cinema (verídico) Meu nome é Jeni. Eu e Laís namoramos a pouco tempo. Não somos assumidas totalmente para a sociedade. Moramos em cidades diferentes e distantes, então para que possamos ficar juntas livremente, marcamos de nos encontrar em...

Amputada

Fim de noite e agente sai na balada para caçar, nessa hora não costumamos ser muito seletivo, mas fiquei intrigado quando vi uma linda mulher sentada sozinha num canto. Aguardei lhe observando durante algum tempo e depois de me certificar de que realmente...