Minha Primeira Experiência Lésbica

Era a minha despedida de solteira e fui com algumas amigas em um barzinho que tocava musica dos anos 80. Eu e minhas amigas acabamos bebendo bastante caipirinhas e tequilas, e ficamos um pouco bêbadas. Na mesa ao lado tinha um grupo de garotas, e uma delas ficava me olhando fixamente, eu pensava que era porque estávamos chamando atenção por estarmos bêbadas, mas ela me olhava de um jeito meio diferente. Ao levantar para ir ao banheiro, encontrei a garota da mesa ao lado. Ela logo se aproximou, puxando assunto comigo, me elogiando, mexendo nos meus cabelos e dizendo que estava lindo. Eu agradeci, dei um sorriso, e nem me liguei que ela estava me paquerando. Ficamos conversando ali por algum tempo, então resolvemos ir diretamente no bar, pedir uma bebida. O nome dela era Larissa, ela tinha 22 anos, era bem feminina, branquinha, de olhos azuis, cabelos lisos pretos, tinha mais ou menos a minha altura, talvez apenas alguns centímetros menor e tinha um belo corpo. Conversa vai, conversa vem, de repente ela se aproxima, me tasca um beijo e se afasta rapidamente, esperando alguma reação minha. Eu fiquei muito surpresa, mas eu gostei muito do beijo e fiquei com um gostinho muito forte de quero mais. Na hora eu sorri, e disse que eu estava ali para a minha despedida de solteira, que eu me casaria em poucos dias, que amava o meu noivo, mas que eu sempre quis beijar uma mulher por curiosidade e nunca tive coragem. Ela estava séria e nervosa, deu um gole bem longo na bebida e sorriu para mim meio sem graça. Eu disse a ela que ela tinha os lábios macios, que o beijo dela era delicioso, carinhoso e que me deixou com vontade de beijá-la a noite inteira. Ela deu um sorriso largo e segurou a minha mão. Perguntei se ela já tinha muitas experiências com mulheres, ela disse que se descobriu lésbica aos 15 anos, depois de namorar alguns meninos e não ter gostado,disse que sempre faltava alguma coisa. Eu disse a ela que estava com um pouco de vergonha por minhas amigas estarem ali e se não poderíamos ir a algum lugar mais reservado. Ela disse que morava ali perto, e perguntou se eu queria ir na casa dela. Eu neguei, pois só pensava em dar uns beijinhos nela e não algo a mais. Ela então teve a ideia de irmos lá fora, até o carro dela, que estava no estacionamento ao lado. Eu topei na hora, pois o desejo de provar daquela boca novamente era maior que tudo. Eu mandei uma msg para as minhas amigas, dizendo que encontrei um amigo no bar e que estava conversando, para elas não esperarem por mim. E fui com a Larissa até o estacionamento. Chegando lá, ainda do lado de fora, eu encostei ela no carro e comecei a beijá-la de língua, bem gostoso. Nossa! Como era bom aquele beijo. Eu estava com uma das mãos no seu rosto e a outra fazendo carinho na nuca. Ela colocou uma das mãos dela na minha cintura e a outra ficou apertando o meu quadril. Na hora em que estávamos nos beijando, confesso que fiquei excitada, e então comecei a dar uns apertõeszinhos nela com mais intensidade, abaixando as minhas mãos e deslizando pelo seu corpo. Tinha uns tarados no estacionamento observando aquela cena atentamente, então pedi a ela que entrássemos em seu carro. Ela tinha uma Pajero TR4, então tinha espaço o suficiente no banco de trás. Nós entramos e começamos a nos beijar deitadas novamente. Eu embaixo e ela em cima de mim. Ela começou a tocar os meus seios, lamber e chupar o meu pescoço. Eu comecei a apertá-la no bumbum e nas coxas. Naquele momento eu já não conseguia mais me dominar e estava louca de tesão. Ela começou a tirar a sua blusa, tirou o sutiã e revelou um belo par de seios, não muito grandes e não muito pequenos, estavam na medida certa. Ela pegou minhas mãos e colocou-as em seus seios. Como eu não tinha a menor experiência com seios,ela que estava instruindo as minha mãos neles, segurando-as, e apertando, suspirando de desejo. Ela pediu para mudarmos de posição e então ficamos sentadas no banco traseiro do carro. Ela começou a tirar minha blusa, abriu meu sutiã e começou a acariciar os meus seios. Eu comecei a suspirar de prazer. Era tão doce e gostoso o jeito que ela me tocava, bem diferente dos homens brucutus nos quais já tinha ficado, e então ela começou a lamber os meus seios. Aquela garota tinha realmente um jeitinho especial de fazer isso. Ela abriu o zíper da minha calça, começou a cariciar a minha vagina, ainda de calcinha, começou a me beijar na barriga e foi abaixando. Arrancou minha calcinha, acariciou o meu clitóris, começou a lamber,  chupar e enfiar o dedinho na minha bucetinha e outro no cuzinho. UAU! Nunca ninguém havia me chupado e penetrado os dedos daquele jeito. Ela realmente tinha jeito para a coisa. Eu apertava a cabeça dela lá e ia ao delírio, virava os olhos e sentia um prazer delicioso, até sentir escorrer o melzinho na boca gostosa dela. Eu gosei muito gostoso e  sorri para ela, que então me falou:  “Nossa! Para quem queria apenas uns beijinhos, hein? Você é muito gostosa para ficarmos apenas nisso!''. Eu sorri, concordei e perguntei a ela como eu poderia retribuir a melhor gosada da minha vida. Ela deu um sorriso malicioso  e foi bem direta: “Cai de boca''. E eu obedeci imediatamente. Estava lá, na minha frente, pela primeira vez uma bucetinha na minha cara, e ela era linda, toda lisinha e com um cheiro gostoso de desejo. Eu comecei a lambê-la, enfiei a minha língua e chupei o seu grelinho. E acho que mandei bem porque ela gemeu bastante e disse que estava uma delícia. Em seguida, comecei a penetrá-la com o dedinho na frente e atrás. Ela começou a gemer mais alto, enquanto acariciava os seus seios. Até que eu senti o seu líquido escorrer entre os meus dedos. Ela agradeceu e pediu para que eu ficasse deitada ao lado dela abraçada. Ficamos ali relaxadas e conversando sobre nós, ouvindo uma musiquinha, até que o meu celular toca e minhas amigas avisam que estavam indo embora. Eu me despedi da Larissa com um beijo e trocamos o telefone. Hoje em dia somos amigas, eu realmente me casei com o meu noivo, mas nunca vou me esquecer da deliciosa experiência que tive com ela.

Contos relacionados

A Cadelinha E Seu Dono

Chamo-me Kassandra e sou cadela e posse do meu único e amado dono. Neste momento que narro este conto estou sentada naquele meu brinquedo, aquele dono que me deixa toda preenchida do jeito que você gosta. Como combinado estava eu pontualmente as 19 horas...

A Vadia Do Papai

Meus pais ainda não estavam preparados para me receber, entre idas e vindas de um relacionamento conturbado eu acabei perdendo a minha mãe num parto prematuro. Não sei precisar quando tudo isso começou, mas foi mais ou menos assim. Eu era a gatinha do...

Saindo Do Marasmo.

Saindo do Marasmo. Saindo do Marasmo. Imaginem uma mulher casada, sem filhos e que o marido tenha outras prioridades. imaginaram? Esta sou eu, Jaqueline é meu nome verdadeiro. Meu marido é 5 anos mais velho e tem a situação financeira...

Na Casa Da Praia

Na casa da praia Era verão no final dos anos 90 e passávamos férias na minha casa de praia. Num final de semana chegou minha filha com vários amigos, na verdade eram três casais, todos jovens e bonitos. Chegaram muito barulhentos, e querendo...

O Seguro Cobre

Em angra dos reis existem muitas entradinhas particulares as margens da rodovia rio santos a maioria levam a pequenos condomínios ou a belas mansões de veraneio, a maioria é protegida por arbustos e arvoredos que só os proprietários ou moradores locais...

Eu E Meu Cunhado

EU ME CHAMO ANA TENHO 22 ANOS E VOU CONTAR MINHA EXPERIENCIA.  TENHO UM CUNHADO QUE NUNCA DAVA BOLA PRA MIM ERA CASADO TINHA DOIS FILHOS E EU ERA NAMORADA DO SEU IRMAO QUANDO EU SAIA COM IRMAO DELE SEMPRE ME LEVA PRA CASA DESSE MEU CUNHADO E LA NOS...