Meu Sobrinho Me Comeu Menstruada

Meu sobrinho me comeu menstruada

Meu nome é Vânia, sou bem branquinha, cabelos curtos escuros, olhos verdes, 38 anos, 1,65m, 60Kg, tipo gostosa, peitos salientes com bicos rosados, bundinha empinada e uma xaninha peludinha.

O que vou relatar aconteceu no começo deste ano; quando fui visitar minha irmã que mora em Ribeirão Preto SP.

Quando cheguei na casa de minha irmã me deparei com meu sobrinho Celso, o qual não via ha pelo menos 4 anos e fiquei surpresa com o belo rapaz, moreno claro, olhos cor de mel, porte atlético e um sorriso lindo. Sou solteira mas mantenho meus paqueras para manter o sexo em dia e fazia 2 semanas que eu estave só na vontade… jantamos juntos minha irmã, meu cunhado e Celso… de quem eu não tirava os olhos (ele percebeu e meio que se exibiu, falando mais alto e sendo atencioso com a titia). Quando deitei o sono não vinha e fiquei a rolar na cama pensando no gato que era meu sobrinho… resolvi tocar uma siririca e vi que estava menstruada (logo pensei que azar!!). Lá pela 2h da manhã ouvi um barulho na cozinha e fui ver o que era, encontrando Celso iluminado pela luz da geladeira aberta, somente de cueca, deixando amostra um volume maravilhoso entre as pernas. Falei que estave com sede e fui pegar agua na geladeira, momento este que ele me agarrou dizendo: – Sei bem a sua sede tia… você ficou me secando a noite toda… Neste momento, no qual eu estave com uma camisolinha fina de malha somente de calcinha por baixo, os bicos de meus seios ficaram duros marcando o tecido e a calcinha toda molhada de tesão. Celso me levou para seu quarto e quando ia partir para lamber minha xota, avisei que estave menstruada… ele baixou a cueca liberando uma rola dura como pedra de uns 18cm mas grossa como nunca tinha visto e disse: Não posso ficar neste estado… vai ser menstruada mesmo e meteu a rola na minha xana, dando inicio a um intenso vai-e-vem… gozei duas vezes, quando Celso tirou a pica ensanguentada e pois na minha boca… o nojo deu espaço ao tesão e chupei seu caralho até ele despejar toda sua porra em minha boca… era tanta porra que escorreu pelos meus seios e barriga. Sem perda de tempo meu sobrinho me virou de bruços e refeito do gozo com o mastro duro novamente, meteu sem dó no meu cuzinho (parece que ele adivinhou que eu amo dar o rabinho)… meteu forte até o saco bater em minha bunda e gozou enchendo meu cu de porra.

Adormecemos e por sorte acordei antes de minha irmã e cunhado, tomando um banho e voltando ao meu quarto. Na semana que foi hospede, meu sobrinho me comeu todos os dias… foi uma experiência fantastica.

Contos relacionados

Passeio Com Muito Tesão, Sexo Em Público

Tudo o que aconteceu neste conto é real, apenas vou mudar os nossos nomes e vocês sabem porquê! Sou o André, tenho 45 anos, um metro e oitenta, olhos verdes e mais o menos uma boa aparência física. Ela é Inês, 42 anos, um metro e sessenta e sete,...

Completamente Invadida

Sem ar condicionado o calor aqui no RJ parece a porta do inferno, tomei um longo banho e sai molhada vestindo apenas uma calcinha, depois de revirar na cama acabei adormecendo e como eu moro no terceiro andar não fechei as janelas acreditando estar segura na...

Minha Ex Parte I

Minha EX parte I Meu nome é Oliver e tenho 28 anos, branco olhos castanhos corpo atlético e 1,82 de altura, a historia que irei contar a vocês aconteceu no ano de 2002, morava na grande São Paulo e me mudei para o interior para estudar e...

De Esposa Dedicada é Escrava Vadia

De esposa dedicada é Escrava vadia Meu nome é Marilia tenho 35 anos e sou casada a 10 anos. Meu marido e eu sempre nos entendemos bem na cama, e nossas transas são sempre muito quentes. Mas de uns tempos meu marido resolveu que deveríamos fazer...

Tesão Dos Pós Aos lábios

Tesão dos pés aos lábios Tesão dos pés aos lábios Nós, garotas adolescentes vivemos em época moderna de TV, Internet, DVDs e outros veículos de informação. Acredito que as garotas de minha faixa etária sabem o que sei sobre sexo e......

Propaganda E A Arma Para Os Negócios

Propaganda e a arma para os negócios   De vez em quando a tarde, na casa de minha sogra que morava próximo do parque Barigui, se encontravam p/ conversar na varanda da casa algumas mulheres p/ colocarem as fofocas em dia, como sempre, eu...