Quase Fomos Pegos E só Rolou Depois

Olá, já publiquei aqui uma vez que minha esposa quase me deu uma dedada, mas essa história de hoje aconteceu há muito tempo, mas ainda me mata de tesão, na época ela era casada com outra pessoa.

Na época ainda não éramos casados, ela trabalhava em uma empresa aqui da região e saia por volta das 21:00, ela passava em minha casa, me pegava e saiamos para dar uma namoradinha, ver a lua, as vezes íamos para um motel. Nesse dia estava uma lua cheia maravilhosa e como era de costume fomos para uma rua deserta, sem casa, sem iluminação publica, onde dava para ver a lua bem melhor. Chegando lá demos um bom amasso no carro, mão pra lá e pra cá, eu louco para fazer amor com ela, morrendo de tesão já com a minha pica dura, mas acabou não rolando. Resolvemos sair do carro, para ver a lua, quando descemos mais uma vez começamos nos agarrar, ela estava com um vestido não muito comprido e eu falei com ela ?que vontade de tirar sua calcinha? e ela falou cheia de tesão ? porque não tira?. Enfiei a mão por baixo do vestido dela, passei a mão na calcinha e percebi que ela estava toda molhada, desci a calcinha dela que ficou caída no meio de suas pernas. Comecei a roçar meu cacete nela até que ela me disse ãeu quero você?. Foi só o tempo de perguntar, ?vc me quer aqui fora ou dentro do carro? ela respondeu  ?aqui?. Eu ia comer minha delicia em um local escuro e aberto, sabendo que poderia passar alguém a qualquer momento, e não é que aconteceu. Quando estava preparando para enfiar a minha pica, visualizamos um carro vindo em nossa direção, na hora ela ficou parada, sem reação e escondeu seu rosto no meu peito. O carro passou e eu acho que ela tomou um susto e acabou não querendo mais. Eu estava quase explodindo de tesão. Entramos no carro, mas ela não quis mais me dar sua buceta. Fui para casa tive que tocar uma punheta e gozei como louco. No outro dia, um sábado, ela saia do trabalho 14:00. Ela passou, me pegou e voltamos no mesmo local, ela dizia que não podia demorar, pois tinha um compromisso. Assim que chegamos, agarramos e já fui direto passando a mão em sua buceta. Ela mais uma fez estava muito molhada. Chamei ela para ir pro motel, mas ela dizia que não poderia, pois tinha que sair, mas quando eu arredei a calcinha dela para o lado e passei meu dedo dentro da sua buceta, na hora ela pulou para o banco do carona e pediu para ir pro motel. Chegando lá, nunca tinha visto ela daquele modo, parecia uma cadela no cio, acho que foi tesão acumulado da noite anterior, foi entrando para o quarto, me agarrando, tirando a sua e a minha roupa, quando percebi já estava dentro dela, comendo aquela buceta maravilhosa. Assim que gozamos pedimos a conta e ela me deixou e um local e foi para seu compromisso. 

Contos relacionados

Mão Amiga No Trem

Me chamo Michel, sou casado, nascido em 1993. Tenho Fetiches com homens casados, maduros, machos, safados e mandões. Diariamente pego o trem em Guainazes sentido Luz para ir para o trabalho. Certo dia, na mesmo rotina, peguei o trem lotado em guainazes e a...

A Sogra 

A sogra  Cansada de ser dona de casa, ela fez um curso de massoterapeuta e gastou ate as suas ultimas economias para montar um pequeno consultório, seis meses depois meu sogro parecia insatisfeito com a sua independência financeira e as...

Fodendo Mãe E Filha

Fodendo mãe e filha Depois de um longo inverno, cá estou de volta para narrar as minhas aventuras ao longo de minha vida. Se não posto muitos contos é porquê, além de serem verdadeiros, não é sempre que se apresenta uma história digna de ser...

Eu E J, Que Delícia O Meu Dileto

Fico assim, doidinha dando a bunda sentindo aquela sensação mais duradoura e gostosa, algo incomparável, gosto de sentir algo quente lavar-me por dentro , sempre digo; "se o homem souber como fazer, come minha bunda sempre?, sou uma mulher comum ,...

Alisgm0ljvc

Usando mil mentiras pode-se tnetar solapar uma verdade, mas quantas mentiras se3o necesse1rias para deter uma espada? Assim como uma verdade pode ne3o ser agrade1vel, uma espada pode ter consequeancias nada boas. De sua boca saeda uma espada afiada, de dois...

Propaganda E A Arma Para Os Negócios

Propaganda e a arma para os negócios   De vez em quando a tarde, na casa de minha sogra que morava próximo do parque Barigui, se encontravam p/ conversar na varanda da casa algumas mulheres p/ colocarem as fofocas em dia, como sempre, eu...