Minhta Tara (2)

O sabor de sentir tesão por compartilhar a minha mulher com outrem surgiu como o relatado no primeiro conto ?Minha Tara (1)?. E tal tesão foi crescendo quando descobri também que ao contar a ela três dias depois o sucedido, estando nós deitados à noite, a sua reação foi me beijar e cobrar o por que não a acordara e dividira com ela a reação que sentira pois gostaria de ter gozado junto comigo aquele momento. Claro que isto foi para mim uma bela surpresa. Não pelo fato de até aquele momento termos sido conservadores, não. Já tínhamos assistidos filmes e fitas picantes e já tínhamos demonstrado a um e outro, interesses em variações. Mas nunca ostensivas, é claro. Fato é que aquela novidade nos apimentou e quando ela perguntou quando haveria outra oportunidade como aquela vivida três dias antes eu lhe respondera prontamente que seria naquele instante. Tal sugerido, tal feito. Levantamo-nos, ela colocou um vestidinho mais curto, fomos para o carro e, naturalmente tive que procurar por um posto mais distante de casa que tivesse um frentista masculino que satisfizesse nossa fantasia. Ela mesma escolheu o frentista. Deitou-se como o combinado e fazendo-se de dorminhoca repeti os mesmos gestos de sair do carro à loja de conveniência. Tinha eu deixado a luz interna do carro ligada para que a visão de fora fosse mais aproveitada. E de longe verifiquei que agora somente um solitário frentista aproveitava o panorama perturbador da bunda de minha mulher com um fino fio dental. Terminado o abastecimento me aproximei e fingindo prestar a atenção ao registro do cartão na máquina de pagamento, pude perceber a mão trêmula do rapaz ao tempo que notei um volume avantajado entre suas pernas. Dei partida no veículo e minha mulher pode ouvir de mim o meu relato. Ficou animadíssima quando lhe falei da reação do rapaz, trêmulo e ereto. Ela, ao perceber o barulho da bomba abastecendo e imaginando ser observada ficara toda molhadinha. Fizemos amor como nunca dantes quando em casa chegamos. Foi um dos gozos mais retumbantes que tivemos até então em 15 anos de casados. E isto não passou despercebido por nós ambos. Muita água ainda ia rolar doravante.

Contos relacionados

Assediada No ônibus Por Uma Lésbica

Olá, me chamo Ana, tenho 29 anos e este é o meu relato erótico. Tudo que é aqui narrado aconteceu de verdade quando eu tinha 20 anos em Curitiba, aonde morei nessa época. Eu tinha 20 anos quando isso aconteceu e estava no primeiro período da...

A Decisão

Meu nome é João que é claro por motivos óbvios foi alterado. Tenho 35 anos, casado, de família normal, comum, a principio como qualquer outra. Meu pai de 55 anos, minha mãe mais velha de 61 e minha irmã já casada de 39. Mamãe se chama Maria, claro...

Sexo no onibus

Olá,..este é mais um dos contos que estarei relando aqui neste site..já contei como aprontei no trem...,mas este sexo no onibus aconteceu em um ônibus interurbano..podem até pensar que vivo viajando,mas não é de fato,.. e também contarei posteriormente...

Torturando Um Estreiante No Swing

Torturando um estreiante no swing A Helen, mesticinha japonesa com cabelos loiros naturais, seios fartos, olhos claros mas o melhor muito sacana, como eu. Em uma de nossas baladas apareceu do nosso lado um rapaz que só faltava tremer ao ver a...

Noite De Sorte

Bom, nunca fui bom de contar minhas experiências, mais passei recentemente por uma que gostaria de compartilhar com vocês, não sei muito bem como descrever, mais lá vai: Moro numa sozinho numa pequena casa no Rio nas proximidades da praia certa...

A Primeira Vez Da Minha Noiva.

A primeira vez da minha noiva. A história que vou contar foi inesperada, aconteceu á pouco tempo com a minha namorada e uma amiga aonde eu entrei de (gaiato). Como não quero revelar os verdadeiros nomes vou dar nome fictício eu vou ser o...