Sexo no hospital

Sou enfermeira, trabalho num hospital e safadeza é comigo mesmo.

Há alguns dias começou a trabalhar no hospital um médico chamado Bernardo. Ele muito bonito, charmoso e com um olhar sedutor.

Certa vez foi preciso transferir um paciente para outro hospital na capital (distância 60km, uma hora e meia de viagem). Como estava de 24 horas de plantão e minha colega de trabalho não, ela pediu para que eu fosse em seu lugar. Prontamente, aceitei, pois era com o Dr: Bernardo e iria aproveitar para puxar conversa.

Após deixarmos o paciente no referido local, no trajeto de volta começamos a conversar e durante o assunto sexo veio de forma natural. Falamos sobre as preferências e posições na hora e tipos de motéis. Quando falamos sobre camisinha ele foi logo falando que para ele só servia a EXTRA GRANDE (EG) e eu nossa, nunca ouvir falar que existia essa camisinha EG, mas achei que era propaganda enganosa. Mesmo assim passou a passar na minha mente (todas às vezes que o encontrava no plantão), milhões de pensamentos libidinosos e um tesão que percorria todo o meu corpo, me deixando instantaneamente toda umedecida…

Em todos os plantões nos quais ele estava, sempre vinha em minha mente imaginando aquele membro enorme e com a imaginação fértil que tenho imaginava muitas coisas que poderia fazer com o EG.

Certo dia no feriado de 12 de outubro, plantão tranqüilo e calmo. Nós dois de plantão trocamos olhares bem intensos e sedutores. Na hora do lanche da tarde fui ao refeitório e quem estava lá sozinho… o Dr: Bernardo e ele logo me cumprimentou, dizendo:

– Boa tarde, Enfermeira Melissa. Sente-se aqui perto de mim para lancharmos.

Só em ouvir a voz dele fiquei louca de tesão imaginado o EG.

Conversamos, mas no fundo havia segundas intenções de ambas a parte então disse a ele que estava na sala da triagem que se ele quisesse aparecer, ficasse a vontade.

Minutos depois ele me aparece na sala de triagem com aquela cara de safado, a calça jeans bem colada que dava para ver uma certa protuberância .

Perguntei o que ele queria.

– Enfermeira Melissa, o plantão está calmo e tranqüilo.

Respondi:

– Que bom, não é.

E nos olhamos tão intensamente e ele pegando naquela protuberância com tanto gosto. Imaginei o EG… Em seguida lembrei da sala de vacina que estava trancada e a chave se encontrava comigo. Então perguntei:

– Vou aproveitar sua presença para lhe pedir um favor. Você poderia vim comigo na sala de vacina?

– Claro Enfermeira Melissa.

Quando ele respondeu, pensei é hoje que descubro se o EG realmente existe ou se é propaganda enganosa.

Fui para o corredor que estava plenamente vazio. Abri a porta e dei sinal para que ele entrasse, depois entrei. Ao entrar tranquei a porta e em seguida cheguei perto e dei-lhe um beijo molhado, intenso e ao mesmo tempo ele agarrou minha cintura apertando-a contra seu corpo e logo pude constatar que o EG realmente existia… Como tínhamos pouco tempo, logo quis sentir o EG todo enterrado dentro de mim… Ahhhh, como queria isso há dias.

Coloquei minha mão sob aquela protuberância, baixei o zíper e coloquei o EG para fora e enlouqueci quando peguei, pois estava bem duro, não agüentei e cair de boca naquele EG lindo, suculento e muito gostoso, nesse momento minha buceta pingava de tesão.

Ele pegou no meu queixo e me deu outro beijo gostoso e intenso.

Tiramos a roupa e ele me jogou na mesa que havia na sala. Abriu minhas pernas e esfregou o EG gostosamente em minha buceta que estava toda melada , que logo achou o caminho para dentro do meu corpo e comecei a movimentar meu abdômen para que o EG pudesse me preencher por completo e ele começou a me foder vigorosamente e a cada estocada a vontade de gemer alto era quase incontrolável, então ele colocou a mão em minha boca para que eu gemesse baixinho. Não acreditava que aquilo tudo pudesse caber em minha buceta. Gozei sentindo sua cabeçona pressionando o fundo do meu útero.

Vendo que eu estava no ápice do prazer, ele tirou o EG e começou a me chupar, ficou minutos que para me foram horas me chupando e eu não me agüentei lambuzei toda aquela boca para que ele sentisse o sabor do mel da minha buceta.

Depois disso de pé apoiada sob a mesa de costas para ele, toda empinada ele começou a meter novamente e como estava tudo úmido o EG escorregou rapidamente me fazendo gemer baixinho e pedia para ele não parar de forma alguma. Ele aumentava a velocidade cada vez mais e eu louca para gritar e só podia no máximo gemer bem baixinho de prazer.

Cheguei ao ápice com vários orgasmos múltiplos gozando loucamente e querendo mais o EG dentro de mim. Mandei ele continuar, dizendo baixinho, sussurrando em seu ouvido com lambidas na orelha:

– Vai safando coloca todo, vai, vai, vai… quero gozar mais…

E ele prontamente colocava mais e mais…. Ele aumentou a velocidade e disse:

– Vou gozar gostosa.

E eu disse:

–  Goza gostoso, goza quero sentir o jato quentinho sair do EG na minha buceta… e ele suspirou de forma ofegante durante o ápice da ejaculação.

Depois nos vestimos e sai primeiro para ver o movimento e acenei para que ele saísse.

Até hoje nunca esqueci a EG e a foda dentro do hospital que foi inesquecível…

Contos relacionados

Reencontro Com Meu Primo

Reencontro com meu primo Bom pessoas, este é o meu primeiro conto,perdoem-me os erros os quais talvez eu os deixe passar sem notá-los e até mesmo pela extensão dele. Tenho lido assiduamente todos os relatos e contos desse site, o que me deixou...

A Ceia

O meu desejo tinha tanto de profano como de absurdo. Naquela noite de inverno, o meu Dom convidara-me para um jantar numa festa privada, a ter lugar  num palácio da alta burguesia.  As instruções dele tinham sido claras: Deveria de estar de olhos...

A Psicóloga De Varginha

Durante mais de 5 anos fiz psicoterapia com uma psicóloga que vou chamar de Mara (nome fictício). Ela tinha uns 30 anos quando começamos as sessões de terapia sendo que fazíamos duas dessas sessões por semana, sempre pela manhã antes de eu ir...

A Melhhor Foda Da Minha Vida (usando Gelo

Acordei suando, ofegante .. Excitada .. Molhada.. Muito molhada. Acabara de ter um sonho incrivelmente quente, onde eu estava nua, amarrada numa cama e vendada, sem poder me mover, toda aberta, e um homem incrivelmente sexy chegava e me torturava com sua...

A Sobrinha Da Minha Mulher

A sobrinha da minha mulher Mariana é uma ninfeta. Morena jambo, 1,65m+-,52kg+-,seios pequenos,parecendo duas maçãs,um corpinho violão,com pelinhos oxigenados nas pernas e braços.Ela mora no interior do RJ é sobrinha de minha mulher e veio...

Minha Mulher, Sua Amiga E Eu

Uma amiga da minha mulher estava com problemas domésticos e a minha mulher perguntou se ela poderia passar uma semana na nossa casa ate ela reorganizar a sua vida, como não vi nada demais, concordei e fui trabalhar. A noite quando retornei, ao abrir a...