O Dia Que Perdi O Cabaço

    Oi, meu nome é fredy, vou contar a vocês o dia em que perdi o cabaço do meu cú. Tenho  cabelos pretos, tenho um corpo normal.

    .

    Estava conversando com um amigo chamado Andre , super safado,que ficava falando que eu tenho a bunda gostosa aquilo estava  me deixava  êxtase com o cu piscando de prazer, ele percebeu minha exitação com aquele papo e fui acariciando seu pau por cima da roupa e ele rapidinho já foi abrindo a bermuda e colocou aquele cacete delicioso para fora, não sei o que mi deu cai de boca e senti crescendo aos pouco, em segundos aquele pau enorme e duro já estava na minha garganta, a cada chupada minha ele ate perdia o controle , em pouco tempo já estava sentindo aquele jato quente e delicioso enchendo a minha boca, engoli aquela porra deliciosa e deixei o cacete dele limpinho.  ele ficou falando que queria comer meu cuzinho, ainda virgem, e eu desconversava porque o pau dele era muito grande e eu tinha medo de não aguentar. 

    Enfim. Andre muito safado já foi metendo o dedo no cuzinho você gosta não é? ? Disse Andre já tirando meu shorte.

    Eu adorei aquilo tudo e quando eu olho pro lado vejo o fabio irmão do Andre tirando o cacete pra fora e falando que queria participar da brincadeira e vi q era de família, que pau enorme, ainda maior q do Andre, cai de boca na hora minha mão nem fechava e assim q senti a língua do Andre  na minha bunda chupe Fabio com mais vontade ainda. Andre deitou no sofá e eu sentei devagar naquele cacete gigante, sentia entrar devagar quase me rasgando, doía um pouco, mas logo relaxei e galopava com tudo e sentia aquele pau indo fundo  rasgando meu cuzinho minha bunda estava arebidada com o cacete do Andre . Fabio veio com tudo e com força enfiou todo o seu pau no meu cuzinho agora não mais virgem, quase desmaiei de dor e tentei sair dali mais Fabio ficou em cima de mim me segurando e eu não conseguia me mexer, ficamos parados ali e eles me falando pra acalmar que logo a dor ia virar prazer e não é que eles estavam certos, depois de algum tempo já estava relaxando e Fabio começou a bombar devagar e aquele dois cacetes enormes dentro de mim foram me dando cada vez mais prazer, depois de um tempo eu já estava gritando:

    – Mais forte, fode gostoso esse cuzinho virgem.

    Eu gozei loucamente nem conseguia me mover, me colocaram de joelhos e gozaram na minha cara falando estavao batizando a puta deles e disse: -?Na próxima vez eles vao gozarem no meu cuzinho, se prepara.?  já estou louca de tesão esperando por isso. conto pra vcs na proxima bjs no cacete de vcs. 

      Contos relacionados

      Minha Cunhada

      Minha cunhada Olá!. meu nome e marcos 29 anos e nao vejo motivo pra esconder meu nome verdadeiro.O que venho relatar aqui foi uma das experiencias mais gostosas que ja tive em minha vida. Sou moreno de pele clara ,1.90 m 96 KG bem distribuidos em...

      A Domicilio?

      Faço de tudo um pouco e aproveitando a idéia do marido de aluguel, iniciei a minha pequena empresa. Agradar ao cliente é primordial para uma boa indicação e de boca em boca eu vou fazendo um serviçinho aqui e outro ali. Meu telefone tocou, a senhora...

      Mulheres Do Sul De Minas.....

      Não é um conto mas uma descrição detalhada das minhas fantasias, meus fetiches e desejos mais secretos jamais realizados. Vou me abrir nas linhas que se seguem. Em detalhes! Com isso sonho em encontrar uma mulher que me entenda e me...

      Quase Fomos Pegos E só Rolou Depois

      Olá, já publiquei aqui uma vez que minha esposa quase me deu uma dedada, mas essa história de hoje aconteceu há muito tempo, mas ainda me mata de tesão, na época ela era casada com outra pessoa. Na época ainda não éramos casados, ela trabalhava em...

      Flavinha Safadinha

      Olá, me chamo Flavinha, tenho 18 anos, 1,60m, 50kg bem distribuídos, me sinto uma baixinha até que bem atraente. Tenho seis médios que se encaixam perfeitamente em minhas mãos, adoro minhas coxas, são um pouco grossas. E para finalizar amo minha bunda,...

      Primo Perfeito

      O que vou contar é veridico e aconteceu comigo quando eu tinha quase 18anos. Sempre me dei muito bem com o meu primo alemão, Andreas, aliás, como se fosse meu irmão. Na verdade ele nem era meu primo, era enteado do meu tio, mas quando ele e minha «tia»...